Sob chuva, Paul McCartney faz show em tecla SAP em São Paulo

SITE_RG

Por André Aloi, especial para o Site RG (Fotos: Marcos Hermes/Divulgação)
O texto abaixo é uma r
eproduçãoveja a publicação original

[hr]

Paul McCartney se apresentou com tecla SAP (segundo programa de áudio) nesta terça-feira (25.11), no Allianz Parque, na zona oeste de São Paulo. O cantor se sentiu paulista e disparou frases em português enrolado, incluindo um “é nóis”. Foi o primeiro concerto, inaugurando o estádio do Palmeiras como arena de shows para um público (de todas as idades) de 45 mil pessoas, que assistiu à apresentação debaixo de chuva intermitente – ao menos quem estava nas pistas comum e premium.

Leia mais

David Bisbal faz show para público apaixonado, em São Paulo

SITE_RG

Por André Aloi, especial para o Site RG (Fotos: Teca Lamboglia/HSBC Brasil)
O texto abaixo é uma r
eproduçãoveja a publicação original

[hr]

David Bisbal fez show neste domingo (23.11) para um público apaixonado, que lotou o HSBC Arena, em São Paulo. Apesar de a apresentação ter sido dividida em mesas, a plateia não se segurou na cadeira com o molejo do espanhol e avançou para a frente do palco. Muitas fãs tentaram subir para tirar uma casquinha do cantor, que dava um beijo e abraço antes de elas serem devolvidas à fila do gargarejo pela equipe de segurança. O concerto teve participações de Carlinhos Brown e do vencedor do “The Voice”, Sam Alves.

Nas primeiras músicas, os seguranças tentaram conter as pessoas, pedindo para que elas voltassem para seus lugares, mas do meio em diante já não dava mais.

Convidado especial, o próprio Carlinhos Brown – aliás, era seu aniversário e ganhou bolo e parabéns – pediu para que o público levantasse e o acompanhasse. Ele tocou “Tantinho”, com trecho em espanhol para Bisbal, e “Llorare Las Penas”. “O Brasil te quer. Bem-vindo ao Brasil, David Bisbal”, disparou Brown. A estrela da noite adiantou que ele o brasileiro farão um projeto musical juntos.

Outra participação foi a de Sam Alves, que – como RG adiantou – fez dueto com Bisbal em “Dígale”. Ao ser apresentado pelo espanhol, comentou: “Recebam com muito aplauso e carinho este cantor que está indo muito bem em seu primeiro ano como artista”. Alves confessou que estava um pouco nervoso ao dividir o palco com o colega internacional. O dueto terminou com Bisbal desejando “muita sorte” ao vencedor do reality. Afinal, ele também foi descoberto pelo reality “Operación Triunfo”, da Espanha. Atualmente, é coach do “La Voz” Espanha e México.

Com direito a créditos ao final, a apresentação seguiu ritmo de DVD até a última canção: entre uma e outra, esquetes eram passadas no telão. Preocupado com os brasileiros, os vídeos eram legendados em português. Os momentos eram divididos entre agitação total, com passos e rebolados, no mesmo compasso que ele cantava sobre o amor e a “princesa” dos sonhos em baladas lentas.

No bis, era nítido que ele não queria sair do palco. Naquele ritual clichê, recebeu uma bandeira do Brasil das mãos de uma fã e deu um beijo, dizendo: “Te quiero, Brasil”. Ao se despedir com “Diez Mil Maneras” – sua música mais famosa – demorou para cair a ficha. Foi de um lado ao outro por diversas vezes, batendo com a mão do lado esquerdo do peito e apontando para a plateia. Gesto que repetiu durante todo o show.

Se depender da vontade dele e do público, Bisbal volta em breve para outra tour. Quem sabe dessa vez com participação de Sandy, como ele mesmo falou que gostaria… Ela está na faixa “Hombre de Tu Vida”, do CD “Tú y Yo”, lançado pela Universal. A turnê segue agora para o Chile, onde ele se apresenta quinta (27.11), e Argentina (8.12).

[hr]

Opinião

O que se viu na plateia do show não foi apenas fãs apaixonados, que querem estar ao lado de seu ídolo a qualquer custo. Mas pessoas mal educadas, ou melhor, que não estão acostumados a frequentar apresentações ao vivo. A começar pelo dress code. Se o show é de um artista com repertório dançante e vez ou outra dá um respiro para uma balada, você precisa estar confortável para dançar (colado à sua mesa, no caso).

O que se viu foi um monte de engravatado e mulheres que puseram seu vestido mais chiquetoso para driblar, em seus saltos altos e poses, os seguranças que pediam a todo o momento para acalmarem a euforia.

O próprio David Bisbal chegou, em determinado, a pedir para que os fãs retornassem a seus postos. Em vão! Continuaram ali com seus smartphones registrando cada rebolada do espanhol. Quando saí do HSBC ainda presenciei uma briga de alcoolizados. Sério? Em pleno século XXI? Pois é… Daqui a pouco a gente vai precisar ter que pensar que bebida e shows não combinam… Aff, não quero nem pensar!

 

Leia mais

Paul McCartney dá largada à semana lotada de shows em SP

15677989957_c19bd94b9f_hNunca antes na história deste país (de São Paulo, na verdade) uma semana foi tão bombada de shows como esta. Hoje (25.11) tem Paul McCartney no Allianz Parque com repeteco na quarta (26), dia também que se apresenta o duo Icona Pop no Cine Joia.

A semana segue na quinta (27) com Jake Bugg no Citibank Hall e por último, mas não menos importante, o Popload Festival (com The LumineersTame Impala e Cat Power), no Audio Club. Vamos aos serviços?

Leia mais

Pela primeira vez no Brasil, Thomas Dybdahl faz show intimista no SESC Pompeia

Fotos exclusivas por Ana Laura Leardini. Acompanhe nosso tumblr para mais coberturas fotográficas.

O aclamado cantor norueguês Thomas Dybdahl tem 34 anos e 6 discos, tendo os quatro últimos atingido o primeiro lugar na sua terra natal. Em sua primeira apresentação em solo brasileiro e pouco conhecido por aqui, Thomas aliou o talento de anos de estrada a uma atitude de principiante. Visivelmente nervoso, ele não deixou dúvidas sobre a tensão que o acompanhou no palco do SESC Pompéia quando disse: “É realmente assustador tocar num lugar onde você nunca esteve antes, você não sabe se as pessoas conhecem sua música e nem a razão de elas estarem ali”. E não era pra menos: sozinho com seus dois violões e uma gaita na frente do palco da Choperia, Thomas teve que encarar olho no olho algo em torno de 100 pessoas que prestigiavam o Festival Dias Nórdicos, evento que divulga a música escandinava para países latinos e aconteceu pela primeira vez no Brasil. Mas apesar do nervosismo, Thomas se saiu muito bem na missão.

Leia mais

David Bisbal: "conhecer o Brasil é sonho"; e quer cantar em português

ANDRÉ ALOI
Direto de São Paulo

David Bisbal chegou ao Brasil nesta sexta-feira (21.11), quando me recebeu em um luxuoso hotel na região do Brooklin, em São Paulo, para uma roundtable. Eu fui representando o Site RG (que você lê aqui) e o Aos Cubos. E o cantor espanhol falou sobre o sonho de vir ao Brasil, da vontade que tem de aprender português e das parcerias que fará no show de domingo (23), no HSBC Brasil, na capital paulista.

Leia mais

Grammy Latino se perde nas línguas e debuta em clima de festa da firma

Você provavelmente já ouviu a expressão americana “Lost in Translation”. Tem até um filme da Sofia Coppola sobre o tema, com Bill Murray e Scarlett Johansson… Mas não é sobre o longa que quero falar, e sim sobre a 15ª edição do Grammy Latino, que rolou nesta quinta-feira (20), em Las Vegas, nos Estados Unidos. No abre, a foto de Gabriel Abaroa autal presidente e CEO Academia Latina de Artes, Gravações e Ciências  (LARAS), que representa o Latin Grammy Awards. 

Leia mais

Ke$ha vem ao Brasil para única apresentação em janeiro de 2015

15168022793_9d2757623a_kMesmo sem estar em turnê e com apenas uma música nova na discografia, chamada “Lover” (lançada recentemente), a cantora Ke$ha vem a São Paulo em janeiro para única apresentação. Será dia 25 de janeiro de 2015, um domingo, no Citibank Hall. O show é uma produção da T4F. A última vinda dela ao País foi em 2011, quando fez show na extinto Via Funchal como parte da turnê “Get Sleazy”.

Leia mais

Arctic Monkeys lava a alma dos fãs em show de São Paulo

Se os boatos de hiato se confirmarem e os Arctic Monkeys derem mesmo uma pausa na carreira após a turnê “AM”, os fãs que assistiram à apresentação nesta sexta-feira (14.11), na Arena Anhembi, em São Paulo, terão história para contar durante um bom tempo.

[hr]

SITE_RGPor André Aloi, especial para o Site RG (Fotos: Stephan Solon /Move Concerts)
O texto abaixo é uma r
eproduçãoveja a publicação original

Com show geralmente engessado, o frontman abriu excessão, entendeu a mensagem do público, e no bis mandou ver em voz e violão um pequeno trecho de “Mardy Bum”, hit perdido do primeiro CD da banda (“Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not”, de 2007).

Apesar das pouquíssimas palavras, vez ou outra, o vocalista Alex Turner tentou conversar com a plateia e, em português, soltou um “obrigado” aqui e acolá e, em um desses momentos, acrescentou “paulistas” à frase.

O show acabou por volta de 00h30 já de sábado (15.11), após quase uma hora e meia de apresentação. Desfilou infinidade de hits, do rock dançante às baladas mela-cueca. O palco era show de luzes e uma estrutura de LED reproduzia a imagem de batimentos cardíacos, que tinha as letras “AM” ao centro, quase imperceptível na capa do CD, mas em evidência nessa mega-estrutura.

Move - Artic-0071“Do I Wanna Know” deu a largada e “R U Mine” – ambas do mais recente trabalho “AM” (2013) – teve a honra de encerrar de forma apoteótica a apresentação (Confira o setlist!). Passaram por quase todos os singles. As faltas mais sentidas, talvez, tenham sido “Suck it And See” (nome do penúltimo CD), “When The Sun Goes Down” e “Fake Tales of San Francisco”, do de estreia.

Com quase 30 anos, Turner é exemplo de como a banda se consolidou. Se não haviam deixado claro no Lollapalooza (ainda no Jockey Club), em 2012, que eram banda de gente grande, no show desta sexta não precisavam provar mais nada. Com casa cheia, os ingressos estavam esgotados há algum tempo. Ele só precisava se preocupar em manter o cabelo – empastado de cera – ajeitado.

Essa foi a terceira passagem do grupo pelo Brasil. A primeira foi no Tim Festival, em 2007, bem no início da carreira. Nas três, o show veio acompanhado de chuva. Então, Alex, faça um favor: não demore a voltar.

[hr]

[hr]

Move - Hives-9747

The Hives

por Raphael Lima (colaborador)

Debaixo de uma garoa que começava e parava, The Hives entrou no palco, ao som de “Come on ,Come on”, seguida por outros  sucessos, como “Take Back the Toys”, ”Walk Idiot Walk”, e“Go right ahead” . Conversaram (e muito!)com o público, e num show de modéstia e simpatia, Pelle Almqvist (que dizia frases de efeito como : “do you Fu#% love me ?” “ Eu sou o babaca encantador que vocês odeiam amar!”), conquistou a todos.

Com o mesmo show que trouxeram ao Lollapallosa (com exceção de duas músicas novas: “Two Kinds of Trouble” e “I’m Alive”, que devem entrar no próximo álbum – ainda sem previsão de lançamento)  o quinteto sueco conduziu a noite com uma apresentação brilhante, com uma presença de palco única e um carisma indiscutível. Subiram o nível, e colocaram uma responsabilidade absurda em cima dos parceiros britânicos, já que o comentário geral pela pista era sobre a surpreendente performance na banda de abertura.

Leia mais

Lollapalooza 2015: veja as atrações dos line-ups da Argentina e do Chile

Neste domingo (16), saiu o line-up do Lollapalooza Brasil (que acontece nos dias 28 e 29 de março de 2015, em São Paulo), e com ele o do Chile (Parque O’Higgins, Santiago, dias 14 e 15 de março) e dos hermanos da Argentina (Hipódromo de San Isidro, Buenos Aires, dias 21 e 22 de março). A substituição mais interessante é que os chilenos terão Kings Of Leon – que veio ao Brasil há pouco, no Circuito Banco do Brasil (CBB) – ao invés de Pharrell Williams.

Leia mais